Os segredos da iluminação

Iluminação não tem segredo, com certeza, mas tem estudo.

Sou uma pessoa extremamente curiosa, e gosto de saber o porque das coisas. Não me cansa estudar, acho a programação mais divertida do mundo, pudesse eu, ficaria estudando o dia todo, pudesse eu, daria oportunidades a todos que querem estudar.

Dou aulas em Pós Graduação desde 2012. Golpe de sorte do destino? Acho que não. Comecei a trabalhar com Led quando ainda era novidade e cursei a Pós-graduação em Iluminação e Design de Interiores, na Turma de 2008, saudades desta turma, primeira Turma de Iluminação São Paulo, muita gente da área, colegas queridos e eu, trabalhava como arquiteta de especificação no primeiro showroom dedicado a iluminação Led de São Paulo, a LIGHT ID. Eles queriam contratar um Lighting Designer, mas fui a única arquiteta que já conhecia a tecnologia LED, eu frequentava o painel de mudanças climáticas do IPCC, acho que era em 2007, e fiz um curso de práticas sustentáveis na construção onde entrei em contato pela primeira vez com a tecnologia LED. Como eu precisava fazer os projetos de retrofit, especificar e até encontrar nos catálogos dos fabricantes produtos equivalente aos produtos solicitados, fiquei craque em fotometria rapidinho. O que eu falo sobre iluminação hoje aos meus alunos é que fotometria é fotometria,  não importa a fonte. O resto é reflexão, e quanto melhor for o índice de reprodução da cor da luz das fontes, melhor seu resultado. Ao projetista cabe o domínio das fotometrias, e o entendimento de todas as grandezas, influencia da luz nos seres vivos.

Minha primeira pesquisa na área foi sobre “A Luz, o Sono e a Saúde” publicada em 2011 sobre o ciclo circadiano e a produção da melatonina, assunto que pesquiso à exaustão. Sempre que leio um artigo novo, faço um resumo em português porque reconheço a importância de divulgarmos as informações. As boas publicações são sempre em língua inglesa.

Em 2016 publiquei minha pesquisa sobre “Iluminação na Paisagem”, eu tinha muitas duvidas de qual iluminação era melhor no espaço noturno urbano, hoje posso afirmar que é em pelo menos 605nm. Consegui convencer um fabricante a apoiar minha pesquisa e atualmente a Interlight está produzindo uma linha para paisagem com um diodo especial que não emite o espectro azul. São processos muito ricos quando conseguimos o apoio da indústria em nossos projetos.

Adorei a sua iniciativa Alexandre, em remodelar o canal do Lighting Now, sempre atual e trazendo as novidades ao nosso meio. Será um prazer colaborar com você sempre.

Beijoka

Silvia Carneiro

 

 

Gostou? Cadastre-se e receba nosso informe semanal.