A cultura Canadense e o Portal Lighting Now!

 

Estive no Canadá por quase 3 meses em um misto de trabalho e lazer e ao final desta jornada com missão cumprida, trouxe na bagagem um bônus: Engrandecimento pessoal.

 

Toronto é uma cidade cosmopolita com grandes cidades brasileiras, porém com muito menos gente nas ruas. A população de todo o Canadá é menor do que a população de São Paulo. No inverno tem mais gelo nas ruas do que gente (kkkk). Brincadeiras com o frio à parte, o choque de cultura foi grande em vários aspectos os quais não vou detalhar aqui um a um, senão 1 Gb de texto seria pouco, mas vou relatar um episódio que norteou a nova política de parceria do Portal LN.

 

Como permaneci na cidade por muito tempo, comprei um Metropass que é um passe mensal válido em todos os meios de transporte urbano e que são integrados. Este passe custa, aproximadamente, 150 dólares canadenses e te dá o direito de usar livremente o transporte em quantas viagens forem necessárias dentro do mês. Não é um valor em dinheiro que é carregado no cartão e que vai sendo debitado conforme o uso, ok? É um passe livre para todo o mês.

 

Existem outras modalidades como o pagamento unitário por viagem, um passe livre para um dia apenas, um passe semanal e ainda um cartão que pode ser carregado com o valor que você quiser para evitar carregar moedas. Isso mesmo, a passagem deve ser paga no ônibus ou street car (VLT) em moedas e no valor exato. Cada um é livre para fazer suas contas e escolher como prefere utilizar os meios de transporte.

 

Explicações fornecidas, vem o assunto que é o tema deste post.

 

Em uma estação de metrô, acho que foi na “Wellesley Station”, havia uma roleta/catraca de acesso livre. Isto mesmo, depois de tantas maneiras descritas acima, eis que havia um acesso livre para aqueles que por algum motivo sério, não tinham condições de arcar com a passagem, seja porque perderam a carteira e precisam voltar para casa, ou foram assaltados (sim, acontece também no Canadá, verdade que raramente, mas acontece), ou por estarem desempregado e precisam ir e vir na busca de uma colocação no mercado, não importa ou It doesn’t matter, como falam por lá. Ninguém vai te perguntar porque você passou por ali. Você deve ter tido um motivo justo para tal.

 

Logo veio à minha cabeça: “Se isso é no Brasil, ia ser uma festa”. Então não me contive e perguntei ao meu amigo canadense, que faz churrasco de picanha padrão brasileiro e adora uma caipirinha (de cachaça, lógico):

 

Eu – “ Se está liberado, porque todos não passam por ali?”

Ele – “E porque faríamos isso?”  Devolveu com outra pergunta.

Eu – “Porque é grátis, não precisa pagar, não é?”

Ele – “Mas aqui a gente não paga para usar. Nós colaboramos para manter funcionando com a qualidade que você está vendo e para que todos possam usufruir.”

 

Naquele momento eu me senti o menor dos homens em frente a força e a grandeza da postura deste povo, dessa sociedade multicultural.

 

Voltarei e breve, mas como disse, trouxe muitos aprendizados comigo e este em particular para o Portal Lighting Now!

 

“Aqui, no portal, as Empresas Parceiras não pagam para participar. Elas colaboram para manter funcionando um sistema de informações de qualidade, que você que está lendo pode comprovar e para que todos possam usufruir.”

 

Este é o caráter colaborativo que acredito. Unir aqueles que enxergam na parceria uma força maior e que apostam em ações que ajudem a promover o TODO e não somente uma das partes. Aqueles que entendam as necessidades e anseios da classe profissional e acreditam que podemos trabalhar juntos em prol da qualidade da informação técnica e do desenvolvimento de um mercado pleno e mais profissional. Este movimento vai trazer, em um futuro bem próximo, muitos benefícios para todos que amam e trabalham com iluminação no Brasil.

 

Um dia espero que, este olhar por outro ângulo, que eu também aprendi a ver, contamine os Gestores de Marketing da maioria das empresas de iluminação do Brasil.

 

Obrigado às empresas que, por olhar por um ângulo diferente, já apoiam esta iniciativa.

 

E fica o convite para a conhecer o Canadá.

 

Alexandre Rautemberg